Para secretário municipal de Justiça, sindicatos de caminhoneiros perderam o controle

25 de maio de 2018

Ao participar da tradicional reunião-almoço do IASP (Instituto dos Advogados de São Paulo) na tarde desta sexta-feira (25/05), o secretário municipal de Justiça de São Paulo, Rubens Rizek Jr., definiu a situação atual da paralisação dos caminhoneiros como “descontrolada”.

 

Foto: Felipe Lampe

Foto: Felipe Lampe

 “Os sindicatos organizados perderam completamente o controle”, disse Rizek a dezenas de profissionais de direito presentes no evento.

O presidente do IASP, José Horácio Ribeiro, corroborou com esta percepção. “Infelizmente estamos assistindo a uma situação de caos”.

Rizek esteve no almoço representando o prefeito Bruno Covas que seria o palestrante, mas não pode comparecer após decretar estado de emergência para a cidade de São Paulo.

“Seria muito estranho se o prefeito Bruno Covas estivesse aqui hoje. Ele, de fato, tem que estar onde ele está, no gabinete dele, na prefeitura, tomando as providências de emergência para que a cidade não sofra”, disse José Horácio antes de dar a palavra ao secretário.

Ainda sobre o movimento dos caminhoneiros, Rizek alertou que há uma “proliferação descontrolada de movimentos”. E acrescentou: “a comoção está sendo explorada de forma espontânea por muitos grupos organizados que vão da extrema esquerda a extrema direita, passando pelo crime organizado”.

Além da questão premente do dia, o secretário aproveitou a ocasião para detalhar medidas da Prefeitura de São Paulo para agilizar as questões judiciais e diminuir a “impressionante judicialização” atual, cenário no qual tem se proliferado decisões judiciais contraditórias e muitas vezes não possíveis de cumprimento, de acordo com sua avaliação.

Entre as medidas, Rizek apontou a criação de uma força-tarefa para análise técnica afim de reduzir o número de processos, utilizando técnicas como a jurimetria (grupo de softwares para compilação de estatísticas aplicadas ao Direito), além de priorizar autocomposição (resolução de conflitos com ajuste de vontades das partes). “A gente quer dar o exemplo para o Brasil”, concluiu.

Além de Rizek, estiveram presentes no evento outros dois representantes da municipalidade: o secretário da Casa Civil, Eduardo Tuma, e controlador-geral Guilherme Rodrigues Monteiro Mendes.